O cristianismo e o paganismo compartilham ideias fundamentais

O cristianismo e o paganismo  compartilham ideias fundamentais


 

Ao ler nessa série o que os povos antigos escreveram sobre suas religiões você descobrirá que a cultura ocidental antiga tinha ideias padronizadas acerca do destino eterno das almas humanas e dos deuses e seus poderes e lugar no universo – e que o cristianismo adotou essas ideias.

A seção de ideias pagãs é a mais importante da série “As origens pagãs do mito de cristo” pois demonstra as coisas  que as religiões pagãs antigas  e o cristianismo têm em comum.

Um destaque para a diretiva do site original POCM: Na seção fatos mostramos evidências. As religiões pagãs tinham homens divinos, paraíso, salvação, milagres, etc. Na seção razões analisaremos se o cristianismo realmente adotou essas ideias. Mas para que você entenda ao máximo a seção fatos é necessário que você entenda o sentido de ‘adotar’ que o site POCM usa. Vamos começar por isso.

Há uma lógica na apresentação das ideias pagãs do site POCM. É recomendável que você siga a sequência de posts na ordem proposta.

“Adotar ideias” não significa que Jesus nunca existiu

Batismo pagão, o sacramento da purificação pela água durante a iniciação nos mistérios de Isis


Alguns não cristãos afirmam que Jesus nunca existiu. O autor não se considera apto a decidir isso. Talvez Jesus tenha existido, talvez não. Não sabemos. Isso não importa, pelo menos até sabermos de onde vêm nossas estórias acerca de Jesus. Essas estória foram inventadas. São apenas ideias pagãs escritas por mentes pagãs.

Alguns cristãos pensam que mito significa a mesma coisa que “totalmente inventado e que nunca existiu”. Não é isso. Pode ser que Jesus foi uma pessoa histórica real, mas certamente ele se misturou a estórias míticas.

Já basta ? Ainda não. Sabemos com certeza que alguns de seus seguidores fizeram isso. Há muitos evangelhos apócrifos antigos acerca de Jesus. Então mesmo que Jesus tenha existido é absolutamente certo que os primeiros cristãos contaram mitos acerca dele. A única questão é “Todas a estórias mágicas dos pagãos são inventadas e as estórias mágicas cristãs são reais e históricas ?”

Essa série não afirma que Jesus nunca existiu.

“Adotar ideias” não é cópia exata


Jesus é cópia de um deus pagão ?


Talvez você tenha conhecimento de sites ou livros que listam incríveis coincidências entre as estórias de Jesus e as de outros deuses antigos. Nascido numa manjedoura (ou caverna), em 25 de Dezembro, de uma mãe virgem e de um pai de nome José. Teve 12 discípulos. Morreu numa cruz, ressuscitou no terceiro dia. Coisas desse tipo.

O problema é que não é bem assim. O único lugar onde se encontra isso é em livros modernos onde um amador ansioso cita alguém que citou um outro alguém. Investigai essas afirmações até suas origens no século 19 e descobrireis que alguém simplesmente inventou isso. A evidência antiga simplesmente não inclui deuses com 12 discípulos nascidos em manjedouras em 25 de Dezembro ou qualquer conceito de mito idêntico. Jesus não é uma cópia mito-a-mito nem elemento-a-elemento de qualquer deus antigo. A página que trata do nascimento virginal dá um exemplo em detalhes (tradução a ser postada ainda), o nascimento de Jesus não é um plágio de Horus.

POCM não afirma que Jesus é uma cópia exata de alguma religião pagã.

“Adotar ideias” não significa “o deus que nasceu e ressuscitou número 47”

No fim do século XIX e nos anos 20 e 30 do século XX estudiosos místicos tinham a teoria de que muito povos antigos tinham deuses que morreram e ressuscitaram, por exemplo, Adonis, Atis, Osiris, Mitra e Tamuz. Deuses que morreram e ressuscitaram eram supostamente um conceito cultural e, diziam os místicos, nossas estórias acerca de Jesus foram inventadas para se encaixar nos padrões da convenção “deuses mortos e ressuscitados”.

Eventualmente o entusiasmo por essa teoria desapareceu, supostamente por falta de evidência, embora o preconceito dos estudiosos tenha contribuído. O autor do POCM não lamenta esse desaparecimento. A evidência de tal teoria é fraca e parece um tanto simples demais.

E no sentido “cristianismo adotou ideias pagãs” essa teria é desnecessária. Não é preciso um paralelo mito-a-mito dessa teoria para ver que as estórias de Jesus se encaixam perfeitamente com a concepção de mundo que as religiões da cultura antiga têm.


POCM não afirma que as origens pagãs de cristo são outro exemplo de convenção cultural de deus morto e ressuscitado.

“Adotar ideias” é assimilar ideias comuns à cultura


Compra uma bebida saudável e refrescante como Mountain Dew e repare que na mesma prateleira verás bebidas que são muito similares. Bebidas gasosas de água com açúcar em latas de alumínio com mesma capacidade e tampa.

Os funcionários de Mountain criaram a bebida Dew apenas copiando de alguém em particular a ideia de colocar água açucarada e gasosa em lata de alumínio ?

Copiaram a Coca-Cola, Pepsi ou Fanta ? É claro que não. Água açucarada e gasosa em lata de alumínio é refrigerante. A ideia de refrigerante é parte de nossa cultura. Dew tem aparência semelhante a todos os outros refrigerantes, não porque é uma cópia direta deles, mas porque nossa cultura moderna tem essa ideia de refrigerante, e Dew é apenas mais um. Quando uma pessoa dos dias atuais cria um novo refrigerante essas são as coisas que se usa.

 

Esse é o significado de “adotar”que POCM usa



Adotar significa apenas “aceitar e incorporar ideias de sua cultura” ou “absorver as ideias de sua cultura”

POCM não afirma que há uma vil conspiração dos  povos antigos


O autor não descobriu a chave secreta para o verdadeiro significado da bíblia. A resposta de POCM é simples e chata: o cristianismo é um produto social de seu tempo e espaço. Ele não criou seus conceitos fundamentais – paraíso, inferno, almas, vida eterna, milagres, profecias, anjos, deuses, filhos de deuses, homens divinos que caminhavam e falavam, etc.  – ele apenas usou os conceitos da cultura de onde surgiu. Quando os povos antigos criavam uma nova religião eles usavam esses conceitos.

A propósito… Diferente


A Dew é diferente da Coca ? Claro. Coca é escura e Dew é clara. A lata de Coca é vermelha e a de Dew é verde. Coca tem gosto de Coca  e Dew tem gosto de Dew. Mas Dew e Coca são refrigerantes.

Nossa ideia de refrigerante descreve somente alguns aspectos da bebida – água açucarada e gasosa numa lata. Outros aspectos não fazem parte do conceito refrigerante – sabor, cor da bebida, cor da lata, preço, etc. Isso significa que todo refrigerante é diferente de todo outro refrigerante. Coca é diferente de Pepsi, que é diferente de Fanta, que é diferente de Dew.

Os prosélitos de Jesus gostam de imaginar que Jesus não é um deus pagão porque Jesus é diferente em ou outro detalhe de outros deuses pagãos.

Falaremos mais sobre isso em outra seção (tradução futura).

Fatos que conhecerás e questões que fará a si mesmo

Você conhecerá fatos. Você lerá o que os antigos escritores escreveram e aprenderá o que eles pensavam acerca dos deuses, almas e a forma do universo. Descobrirá que os pagãos antigos tinham escravos. Sabia que os antigos judeus tinham escravos ? Deus disse à eles que isso era aceitável. Sabia que os primeiros cristãos também mantinham escravos e que segundo a bíblia Deus disse que isso era aceitável ? É verdade. Esses são fatos.

Saberás que os antigos pagãos acreditavam que os sonhos eram mensagens enviadas por deus(es). Assim como os judeus e cristãos. Esses são fatos.

Mais um fato: antigos pagãos acreditavam que demônios eram seres reais com poderes milagrosos. Assim como os judeus e cristãos.

Assim como judeus e cristãos, os pagãos antigos acreditavam que os milagres aconteciam pelo poder divino.

Assim como cristãos e alguns judeus, os pagãos antigos acreditavam em deus e na vida eterna da alma humana.

Julgamento perante Osiris, Livro dos mortos egípcio, 1250 AC

Questões para se pensar enquanto lês essa série

A questão básica é “De onde vêm as ideias do cristianismo ?”. Comecemos com a escravidão. Os pagãos acreditam na escravatura. Os primeiros cristãos cresceram conhecendo a escravidão pagã e também fizeram uso de mão de obra escrava. Você há de concordar que os cristãos não reinventaram a escravidão. Concordamos que os cristãos adotaram a escravidão usada pelos pagãos e judeus.

Enxergou a trajetória dos fatos e a dissertação dessa série ? Veja  o progresso a partir de de coisas estranhas (para nós) que o cristianismo certamente adotou, como a escravidão. O cristianismo deve ter adotado também sonhos mágicos, demônios e coisas não estranhas a nós que fazem parte do núcleo de nossa fé.

Enquanto lês essa série você deve se perguntar:


Que raciocínio apóia a conclusão de que o cristianismo adotou a escravidão ?

Quando aplicamos o mesmo raciocínio as sonhos, demônios, milagres, Deus e a vida eterna da alma humana obtemos a mesma resposta o “cristianismo adotou essas ideias” ?

Se não, por que não ?

Falaremos mais sobre essa linha de raciocínio futuramente.

Palpites do autor

 

Quero que você conheça os fatos, pense nas razões e decida por si mesmo

Os escritores do novo testamento cristão sentaram-se com a versão revisada do evangelho de Mitra sobre a mesa de modo a aproveitar as melhores partes, ponto a ponto ? Não. Não seja tolo.

O cristianismo não tem origens pagãs no sentido de que os primeiros cristãos copiaram  de forma exata lendas e mitos. O cristianismo tem origens pagãs no sentido de que as ideias religiosas ao redor das quais o cristianismo foi criado são exatamente as ideias religiosas comuns na época que o cristianismo surgiu. A teologia cristã fundamental é a teologia pagã fundamental, os primeiros cristãos simplesmente adotaram os conceitos religiosos de sua cultura. Eles mudaram algumas coisas e inovaram ? Com certeza. Todos que criaram uma religião fizeram o mesmo. Mas as ideias mais básicas do cristianismo  – Deus, o Filho de Deus, milagres como sinal de divindade, salvação, batismo, eucaristia, almas, moral, paraíso, inferno e muito mais – são todas ideias pagãs.

O cristianismo é uma religião pagã antiga

O que aprenderás na seção ideias pagãs é que muitas (porém não todas) religiões antigas eram religiões de salvação. Em geral os povos antigos do mediterrâneo acreditavam que viveriam após a morte ao lado de pessoas boas tendo vidas pós morte mais felizes que pessoas más.

Muitas religiões foram criadas para dar a seus seguidores uma situação melhor após a morte. Essa situação melhor dependia da religião: em algumas religiões misteriosas gregas havia os Campos Elíseos, para seguidores de Isis e Osíris havia a eternidade com Osiris no paraíso subterrâneo, para muitas religiões e filosofias havia o retorno da alma desencarnada para o único deus no céu. Algumas religiões antigas até chamavam isso de salvação. E tudo isso veio muitas gerações antes do cristianismo – centenas e centenas de anos.

As questões te convencerão de que não há análise razoável e consistente das evidências que indique que o cristianismo é fundamentalmente diferente de outras religiões pagãs antigas. O cristianismo é uma religião pagã antiga.

 

Na próxima vez que tu estiveres na igreja…


 

Faze esta pergunta a ti mesmo:

Que parte do que ouço era novo e único no cristianismo e que parte já era integrante de outras religiões numa cultura na qual novas religiões eram repetidamente criadas fazendo uso de velhos conceitos ?

Quando falarem de José sabendo do nascimento de Jesus em um sonho mágico enviado por Deus, e do homem-deus Jesus expulsando demônios, fazendo milagres, descendo e subindo aos céus, lembra-te dos sonhos dos antigos pagãos, dos homens divinos pagãos, dos demônios pagãos e do paraíso pagão no céu, acerca dos quais tu leste aqui.

Então estarás ciente de que tudo isso precedeu o cristianismo por centenas de anos !

Uau !

O cristianismo e o paganismo  compartilham ideias fundamentais

 

Um leitor tenta refutar os escritor do autor

Meu nome é Wade Duroe e gosto de raciocinar sobre os assuntos A resposta de Greg, o autor dessa série
Algumas pessoas acreditam que a estória de Jesus não passa de mitos e contos adotados de outras culturas e religiões e adaptados à visão de mundo judaico-cristã.Mas só porque uma estória é repetida de tempos em tempos, ou de cultura a cultura, ou de religião a religião, não significa que qualquer uma delas é verdadeira ou não. Cada estória, contada e recontada, deve ser analisada por seus próprios méritos. A análise de Wade não leva em consideração o ponto de vista dessa série.
1 – O cristianismo não copiou mitos. O que ele copiou foi o modelo conceitual de universo dos antigos ocidentais, inclusive as ideias religiosas ao redor das quais cada religião antiga criou seus próprios mitos.2 – POCM afirma mais que repetição. Para essa série houve cópia.3 – POCM não afirma se os mitos são ou não verdadeiros, apenas afirma que foram copiados.
É possível que a frequencia de repetição através de tempos, culturas e religiões dê credibilidade para um núcleo de verdade contido na estória.Os cristãos não negam que elementos do nascimento e vida de Jesus Cristo apareceram nas estórias e contos de outras religiões e culturas. Não afirmamos que tudo que ocorreu na vida de Jesus era único.Mas afirmamos que a repetição dessas estórias e contos dá substância e credibilidade a um núcleo de verdade, o qual acreditamos que Jesus Cristo concretizou.

Afiramos que as estórias, contos e mitos de outras culturas e religiões foram apenas uma dica da revelação feita por Jesus Cristo.

Afirmamos que a notoriedade dessas estórias todas ocorridas na vida de Cristo dá credibilidade à Sua estória. Ele nasceu de uma virgem como ato especial criativo de Deus Pai. Seu precursor, João Batista, teve seu anuncio de nascimento e o próprio nascimento semelhantemente milagroso. Uma estrela indicou o nascimento de Jesus. Ele foi louvado por sábios estrangeiros assim como pelos anjos no céu. Ele curou doentes, ressuscitou mortos, expulsou demônios, fez coxos caminharem e cegos enxergarem. Caminhou sobre as águas e alimentou 5.000 pessoas com alguns pães e peixes.

Ele afirmou ter autoridade para perdoar pecados. Chamou-se de Senhor do Sábado. Predisse seu próprio sofrimento e morte. Foi crucificado, morto e sepultado. Ressuscitou dentre os mortos e apareceu a seus seguidores. Ascendeu aos céus.

Predisse seu retorno em algum dia.

Aceito a afirmação de Wade que diz que os mitos cristãos são essencialmente os mesmos que os mitos pagãos anteriores.Wade e eu concordamos basicamente. POCM afirma que não há análise consistente e razoável das evidências que demonstre que o cristianismo é fundamentalmente diferente de outras religiões pagãs antigas. O cristianismo é uma religião pagã antiga.Wade concorda. Ele é incapaz de dar uma explicação verdadeiramente possível e racional de causa e efeito dos fatos que apóiam a verdade de seus mitos. Sua solução é explicar os fatos com a mágica de Deus. Wade afirma que as semelhanças aconteceram por conta de algum tipo de pré-revelação mágica.

Não sei se Wade está certo ou errado pois soluções mágicas como a dele não podem ser analisadas racionalmente. Deus é onipotente e pode fazer qualquer coisa. A mágica de Deus pode sobrepujar quaisquer fatos contrários.

A propósito, a análise de Wade data do segundo século DC, e é de Justino Mártir. Como Wade, Justino via as profundas semelhanças entre o cristianismo e o paganismo e percebia que a análise racional levava à conclusão de que o cristianismo adotou as ideias pagãs.

Ele e outros padres evitaram a conclusão inevitável através de uma solução mágica sonhada por eles, a saber, a imitação demoníaca.

Dentre os homens e deuses de outros tempos, culturas e religiões podemos encontrar exemplos isolados de muitos desses eventos.Mas você não pode encontrá-los juntos na estória de um único homem. Na vida de Jesus Cristo as estórias e mitos que aparecem em partes em outras culturas e religiões estão cumpridas. Wade repete sua análise mágica mas não apresenta evidência ou análise racional para apoiá-la, pois isso não existe.
A estórias acerca de Jesus Cristo estão registradas na história pelos escritores dos evangelhos, e foram profetizadas no velho testamento pelos profetas e apoiadas pelas descobertas arqueológicas.A verdade é mais estranha que a ficção. Os velhos contos e estórias mitológicas que foram contados em vários tempos e lugares apontavam para algo muito maior do que qualquer um pudesse imaginar: Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Messias, nosso Salvador. Wade repete sua análise mágica e para apoiá-la ele afirma que os evangelhos são históricos e que as estórias mágicas neles são verdadeiras. Wade não tem evidências, nem fatos nem análise racional que apóie suas afirmações.
A análise de Wade é um esmagador exemplo do declínio do cristianismo. Mais de 170 anos de estudos, que datam pelo menos desde J. Strauss’ Life of Jesus Critically Examined (1835), demoliram qualquer possível defesa racional dos evangelhos como história. Crentes conservadores são incapazes de refutar a análise de Strauss mas são capazes de ignorá-la. E eles ignoram.Estudos conservadores geralmente iniciam com o axioma “as estórias bíblicas são verdadeiras” e argumentam a partir daí. Legal. Podemos ser amigos mas eis o resultado:1 – Crentes conservadores – Wade, por exemplo – não estão cientes dos fatos mais básicos e razões que apóiam as conclusões dos estudos críticos. Não é que eles não acreditem nas razões, eles apenas não as conhecem.

2 – Estudos conservadores falham em demonstrar fatos e razões críticos, fazendo do estudo conservador um “exercício dentro de casa”, persuadindo somente aqueles que já estão persuadidos.

3 – Apologética conservadora, como n ocaso de Wade, frequententemente se reduz a uma reunião animada e entusiástica, repetindo o que você acredita, repetidas vezes, como se repetir constantemente fosse transformar aquilo em verdade.

Insistência teimosa na verdade do mito antigo é, em minha opinião, uma receita para o declínio e queda da religião, além de te fazer parecer tolo.

A cultura ri de você. O pior é que enquanto eles levam seus mitos à irrelevância os crentes conservadores estão levando para o buraco também os valores – moral, crença no certo e errado, bom e mau – que estiveram no centro de nossa cultura e sucesso.Isso é ruim.

Fonte: http://www.pocm.info/pagan_ideas_getting_started.html

Esse post foi publicado em As origens pagãs do mito de Cristo, Inglês, Religião, wikipédia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O cristianismo e o paganismo compartilham ideias fundamentais

  1. Evaldo disse:

    Só gostaria de acrescentar um argumento: Quando um técnico projeta um carro ele usa diversas invenções independentes ou alguns conjuntos de invenções, algumas com milhares de anos, mas nem por isso fala-se que ele inventou o carro ou que todas as invenções anteriores foram feitas com o proposito final de fazer esse modelo de carro. Creio que o mesmo argumento vale para as religiões modernas. ^^

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s