Parabéns, você conhecerá as origens pagãs do mito de Cristo

Você descobrirá que as culturas antigas do mediterrâneo compartilhavam idéias padrão acerca de deuses, seus poderes e seu lugar no universo – e que o Cristianismo simplesmente adotou estas idéias, e as aplicou a Jesus.

O Cristianismo foi um produto de seu tempo e espaço.

Greg

O site Pagan origins of the Christ myth trata de uma questão que provavelmente você nunca pensou a respeito:

O Cristianismo tomou idéias de outras religiões ?

Se você é como a maioria daqueles que cresceram no meio cristão, você acredita que não. Fomos ensinados a crer que o Cristianismo começou com… Jesus. E que ele mudou o mundo com idéias novas e revolucionárias.

Não foi assim. O Cristianismo não veio de Jesus, mas sim do acúmulo de lendas e teologias de pessoas que acreditavam em Jesus. A origem de tais idéias não é Jesus, e sim os mitos, lendas, filosofias, preconceitos, literatura, superstições e cosmologia primitiva da cultura ocidental antiga.

O Cristianismo foi um produto de seu tempo e espaço.

É disso que trata o site POCM – pagan origins of the Christ myth.

Começaremos a pensar acerca do plágio cristão com uma simples pergunta:

“Com que critério podemos decidir quais estórias antigas de homem divino eram novas e originais, e quais eram mitos construídos a partir das idéias religiosas de seus dias ?”

Eis o que queremos dizer:

Quando dizemos que Osíris traz a seus seguidores vida eterna no céu egípcio, onde contemplaremos a inexprimível e indescritível glória de deus, entendemos que isto é um mito.

Quando se diz que os rituais sagrados de Deméter em Elêusis trarão felicidade a seus seguidores em suas vidas eternas, entende-se que isto é um mito.

De fato, quando os escritores antigos dizem que em geral as pessoas da antiguidade criam na vida eterna, e que os bons vão para os Campos Elísios e aqueles não tão bons vão para o hades, entende-se que isto é um mito.

Quando a saliva de Vespasiano curou a cegueira de um homem, entendemos que isto é um mito também.

Quando Apolônio de Tiana ressuscitou uma garota, entendemos isso como outro mito.

Quando Pítia, a sacerdotisa do oráculo de Apolo em Delfos, na Grécia, profetizou, e continuou profetizando por mil anos, e as profecias se realizaram, entendemos isso como mais um mito.

Quando Dioniso transformou água em vinho, cremos que isso é um mito. E quando os seus seguidores estão cheios do seu espírito, o Espírito de um deus, entendemos isto como outro mito.

Quando Rômulo é descrito como o Filho de Deus, nascido de uma virgem, para nós isso é um mito.

Quando Alexandre o Grande é descrito como o Filho de Deus, nascido de uma mulher mortal, cremos que isto é apenas mais um mito. Pode-se dizer o mesmo de Augusto, Cipião Africano e Dioniso.

Então por que quando Jesus é descrito como:

o Filho de Deus,

nascido de uma mulher mortal,

de acordo com uma profecia

e que transformou água em vinho

ressuscitou garotas

curou cegos com sua saliva

e preparou caminho para que seus seguidores tenham vida eterna no céu e contemplem a indescritível e inexprimível glória de Deus, e manda ao hades, quer dizer, inferno, os maus…

Como isso não é um mito ?

E como, numa cultura com tantos filhos de deus, onde milagres eram vistos como ciência, onde céu, inferno, deus, vida eterna e salvação estavam presentes nos templos, nas filosofias, nos livros, nos festivais de rua, como podemos imaginar que Jesus e as estórias a seu respeito são originais, e que não copiaram nada da cultura de onde vieram, uma cultura cheia das mesmas idéias ?

POCM responde a estas questões através dos escritos dos povos antigos acerca das religiões antigas. O que as evidências mostrarão é que a cultura ocidental antiga tinha idéias convencionais acerca dos deuses, seus poderes e lugar no universo. O cristianismo adotou essas idéias.

Os pagãos da antiguidade acreditavam em vários níveis de divindade, cujos indivíduos tinham poderes milagrosos, desciam e subiam de volta a seus lares celestiais. Seres divinos se preocupavam com as pessoas, ouviam e respondiam as suas orações, davam o poder da profecia, e davam uma alternativa melhor para a vida eterna que vem após a morte.

O cristianismo é um produto de seu tempo e espaço. O cristianismo é uma religião pagã antiga.

POCM retrata a história das idéias da civilização ocidental.

POCM não trata de crenças religiosas, pelo menos não no sentido de se preocupar se você é ou não cristão. POCM não liga para isso. POCM não quer mudar sua fé.

Não queremos empurrar uma religião sobre a outra, nem o ateísmo ou a ausência de religião sobre a fé. Deixo claro que eu não sou pagão. Mas se escrevi bem você conhecerá todo este conteúdo e entenderá as minhas convicções religiosas.

Fonte: http://www.pocm.info/getting_started_pocm.html

Esse post foi publicado em As origens pagãs do mito de Cristo, Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s